Site Notícias Demonstrativo - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Vereador propõe frente parlamentar sobre Orçamento Participativo.

Proposta de Adeli Sell deverá ser aprovada em plenário

Proposta de Adeli Sell deverá ser aprovada em plenário CAROLINA ANDRIOLA/CMPA/JC 

 

Bruna Suptitz

Com suas principais atividades canceladas para este ano - definição de novas demandas no orçamento em assembleias regionais e temáticas -, o Orçamento Participativo (OP) de Porto Alegre pode virar tema de uma frente parlamentar na Câmara Municipal. O requerimento é do vereador Adeli Sell (PT) e precisa ser aprovado em votação para a definição dos membros e o início do trabalho.

Em março, o Conselho do Orçamento Participativo (COP) decidiu que neste ano não serão registradas novas demandas, e a prefeitura orientou que as regiões e temáticas definam, entre as demandas pendentes de anos anteriores, quais são prioritárias para receber atendimento. O principal ponto que deverá ser levantado nos debates da frente é a definição de um novo formato do OP. "Há um processo de esgotamento, de demora e de muitas demandas não atendidas", aponta o vereador. "As lideranças (comunitárias) não se importariam que neste ano não houvesse novas demandas, desde que haja o realinhamento das não atendidas", completa o parlamentar. Contudo pessoas ligadas ao movimento comunitário enxergam com preocupação a ausência de assembleias neste ano. Para Adeli, a relação governista com as lideranças comunitárias pode interferir nos rumos do OP. "Como estão vinculadas a partidos políticos, muitos da base, estes pressionam para que haja alinhamento com a prefeitura", avalia.

O vereador explica que pretende, com a frente parlamentar, realizar reuniões abertas nas regiões do Orçamento Participativo com lideranças, conselheiros e delegados. Ele também espera contar com a participação da prefeitura para a definição de um novo modelo de atuação, que se daria "de maneira horizontal". "A prefeitura pode ter a maioria no COP, mas há descontentamento não só nos últimos dias, mas de alguns anos" conclui.

Via: Jornal do Comércio  (LINK)

Fonte

Jornal do Comércio / Carolina andriola/CMPA/JC / Bruna Suptitz
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Vereador propõe frente parlamentar sobre Orçamento Participativo.

Jornal do Comércio / Carolina andriola/CMPA/JC / Bruna Suptitz

 

Bruna Suptitz

Com suas principais atividades canceladas para este ano - definição de novas demandas no orçamento em assembleias regionais e temáticas -, o Orçamento Participativo (OP) de Porto Alegre pode virar tema de uma frente parlamentar na Câmara Municipal. O requerimento é do vereador Adeli Sell (PT) e precisa ser aprovado em votação para a definição dos membros e o início do trabalho.

Em março, o Conselho do Orçamento Participativo (COP) decidiu que neste ano não serão registradas novas demandas, e a prefeitura orientou que as regiões e temáticas definam, entre as demandas pendentes de anos anteriores, quais são prioritárias para receber atendimento. O principal ponto que deverá ser levantado nos debates da frente é a definição de um novo formato do OP. "Há um processo de esgotamento, de demora e de muitas demandas não atendidas", aponta o vereador. "As lideranças (comunitárias) não se importariam que neste ano não houvesse novas demandas, desde que haja o realinhamento das não atendidas", completa o parlamentar. Contudo pessoas ligadas ao movimento comunitário enxergam com preocupação a ausência de assembleias neste ano. Para Adeli, a relação governista com as lideranças comunitárias pode interferir nos rumos do OP. "Como estão vinculadas a partidos políticos, muitos da base, estes pressionam para que haja alinhamento com a prefeitura", avalia.

O vereador explica que pretende, com a frente parlamentar, realizar reuniões abertas nas regiões do Orçamento Participativo com lideranças, conselheiros e delegados. Ele também espera contar com a participação da prefeitura para a definição de um novo modelo de atuação, que se daria "de maneira horizontal". "A prefeitura pode ter a maioria no COP, mas há descontentamento não só nos últimos dias, mas de alguns anos" conclui.

Via: Jornal do Comércio  (LINK)

Publicidade